Jornalismo local e analítico

Opinião
| 7 mar de 2019

O processo colonizatório espanhol na região Sul do Brasil

“The First Voyage”, cromolitografia de L. Prang & Co., publicada pela The Prang Educational Co., Boston, 1893: Uma cena de Cristóvão Colombo se despedindo da rainha da Espanha em sua partida para o Novo Mundo, em 3 de agosto 1492

Antes de falarmos do processo de colonização espanhola na região de Guarapuava, é importante lembrar que tudo começou quando Cristóvão Colombo, desprezado pelo governo português encontrou guarida no governo espanhol, no final do século XV, quando então se deu inicio ao processo colonizatório nas Américas.

Quando Portugal soube da descoberta espanhola, em 1498, tratou de reagir, porque já existia um documento que dava direitos aos portugueses, sobre “a administração e Padroado” das terras descobertas e a descobrir, desde o Cabo Bojador até às Índias, de acordo com as bulas dos papas Nicolau V, Xisto IV e Calixto II. (MARCONDES G. 200 Anos de uma Caminhada histórica, p. 89). Lembrando que Portugal e Espanha eram oficialmente católicos, e já tinham assinado o Tratado de Tordesilhas, na povoação castelhana de Tordesilhas, em 7 junho de 1494, foi um tratado celebrado entre o Reino de Portugal e a Coroa de Castela, para dividir as terras fora da Europa, por ambas as Coroas.

Assim, começou um processo de negociação entre as partes interessadas nas terras ameríndias, até que foi acordado que: fosse traçada uma linha imaginária a 370 léguas de Cabo Verde e que as terras descobertas e a descobrir, que se situassem a Leste desse meridiano ficassem pra Portugal e as que se localizassem a Oeste seriam da Espanha. Imagine-se o poder dos peninsulares, se considerando donos do mundo, sob as bênçãos da Igreja Católica. Note-se que a região sul, com Guarapuava ao centro, ficou seis anos antes da “descoberta” do Brasil sob o domínio dos espanhóis. Não fosse a vinda da família real para o Brasil em 1808, é possível que até hoje estaríamos falando a língua espanhola.

Assim, passados pouco mais de 40 anos da assinatura do Tratado de Tordesilhas, a Espanha enviou prá cá, a fim de tomar posse da região, o “Adelantado” Dom Álvar Nuñes Cabeza de Vaca, que aqui chegou em 1541, com 260 homens armados e 26 cavalos, que seriam os primeiros que os Kaingang e Guaranis iriam conhecer.

No local onde hoje está o Município de Araucária implantou a soberania e posse da região, para a Coroa de Castela, Espanha, fundando a Província de Vera, cuja área ia de Santa Catarina à margem do Rio Paraná, incluindo o território de Guarapuava. Nas próxima edições daremos continuidade a esse tema de suma importância pra História.

Ariel José Pires

Sobre o Autor

Ariel José Pires

Doutor em História – Presidente do Instituto Histórico de Guarapuava