Jornalismo local e analítico

Notícias
Comunicação, Cultura, Direitos, Sem categoria | 21 dez de 2017 | da Redação

Você conhece a Libreflix?

Plataforma gratuita e colaborativa oferece filmes, documentários, séries e muito mais

O Brasil já alcança a marca de 9,1 milhões de domicílios com acesso à Internet através da banda larga fixa ou móvel (3G ou 4G) e As linhas de telefonia móvel ativas são 240,9 milhões em todo o país – a maioria, 150 milhões, pré-paga. Os dados são de pesquisa divulgada pela Anatel no início de dezembro e ajudam a entender como a preferência pelo uso da web para entretenimento e informação vem crescendo entre nós. De acordo com a Pesquisa de Mídia Brasil, realizada pelo IBGE, 26% dos brasileiros preferem a rede. O percentual salta para 50% na faixa etária de 16 a 24 anos.

Assistir a produções audiovisuais é um dos principais motivos para acessar a internet o que alavanca o sucesso de plataformas como YouTube e Netflix. No entanto, o fator econômico faz a diferença em muitos casos. Qualidade de imagem e alguns títulos estão disponíveis apenas em serviços pagos, ou, de forma temporária em sites que operam sem autorização e licença de direitos autorais. Mas, há boas iniciativas sendo realizadas para quem deseja assistir a uma boa produção sem desembolsar um centavo sequer – a Libreflix é uma das que vale a pena acessar.

Como o próprio nome já sugere, a plataforma de streaming é aberta, colaborativa e gratuita. Além de poder assistir a todo o conteúdo sem pagar por ele, o público é convidado (e incentivado) a colaborar com o acervo e enviar suas produções. Assim, o site não só colabora para o entretenimento e acesso à informação, como também é oportunidade para que filmmakers, cineastas ou estudantes da área possam divulgar seus trabalhos.

De acordo com seus colaboradores, dentre os quais o idealizador do projeto Guilmoure Rossi, a Libreflix defende novas formas de compartilhamento da cultura. “Formas que atinjam todas as pessoas, principalmente as que não podem pagar por ela. Formas que conectem os artistas direto com os fãs. E até formas que permitam que artistas criem algo novo à partir do trabalho de outros artistas. Cultura é ciência, é poesia e é de todo mundo”, escreve na descrição do site.

O funcionamento da plataforma é bem intuitivo e semelhante à Netflix ou ao Vizer. Para assistir, o cadastro não é obrigatório mas, se o interesse for em colaborar subindo algum material, é necessário fazer uma conta. O acervo oferece uma boa variedade de títulos e também é possível encontrar filmes clássicos com qualidade de áudio e vídeo. Além de filmes (longas e curtas metragens), há animações, séries, seleção para o público infantil e documentários sobre inúmeros temas.

ACESSE >>> libreflix.org
Navegamos pela plataforma e encontramos produções bem bacanas. Seguem sugestões de acordo com algumas das tags disponíveis!

#nacional
QUANDO PAREI DE ME PREOCUPAR COM CANALHAS
João Carlos se acha politizado, mas começa se dar conta de que vem se tornando tão chato quanto os taxistas da cidade. Enquanto esse fantasma o persegue e uma crise de relacionamento o leva ao fundo do poço, um surto de lucidez faz com que tome a decisão mais importante de sua vida.

#séries
3%
Todas as pessoas, ao completarem 20 anos, podem se inscrever para um processo seletivo que os levará a um ‘novo mundo’, cheio de oportunidades e promessas de uma vida melhor. Apenas 3% são aprovadas e, até lá, um processo bastante cruel é imposto aos candidatos.

#social
SEMENTES DA LIBERDADE
A história de sementes desde suas raízes no coração de sistemas agrícolas tradicionais, ricos em diversidade em todo o mundo, até a sua transformação em um matéria prima poderosa, usada para monopolizar o sistema alimentar global.

#clássicos
METRÓPOLIS
Uma cidade futurista chamada Metrópolis dividida entre a classe trabalhadora e os planejadores da cidade, o filho do mestre da cidade se apaixona por uma profeta trabalhadora que prevê a vinda de um salvador para mediar a diferença entre as classes.

#ativismo #educação
PRIMAVERA SECUNDARISTA
Apresenta o movimento de ocupação de escolas e universidades ocorrido em 2016 em cerca de 1.100 escolas no Brasil, das quais 850 no Estado do Paraná, como resistência à Reforma do Ensino Médio e ao congelamento dos gastos públicos por 20 anos.

#animação
SINTEL
A garota chamada Sintel, que está à procura de um dragão bebê chamado Scales. Ela luta contra um guerreiro desconhecido e, após vencer, desmaia de cansaço. Ao acordar, encontra um velho shaman. Ele revela que Sintel tinha encontrado Scales com uma asa machucada e cuidado dele, formando um vínculo afetivo.



Leia também
11 de julho de 2019
9 de julho de 2019
9 de julho de 2019
9 de julho de 2019